quarta-feira, 7 de dezembro de 2011

Planeta Cesta entrevista Federico Kammerichs, medalhista olímpico e agora jogador do Flamengo

O mês de dezembro será repleto de entrevistas aqui no blog, e depois de começar os últimos 31 dias do ano com chave de ouro, batendo um papo com Leandrinho Barbosa, jogador da seleção brasileira e do Toronto Raptors, da NBA, chegou a vez de um medalhista olímpico; O argentino Federico Kammerichs, que é um dos jogadores que integram a seleção "hermana" também conhecida depois de Atenas-2004 como a geração dourada. 

Kammerichs na festa de lançamento do NBB4

Vestindo a sua tradicional camisa número 15, Kammerichs desembarcou esse ano em território nacional e se tornou o primeiro jogador a ter uma medalha olímpica a disputar o Novo Basquete Brasil. Agora no Flamengo, Kammerichs quer ajudar à equipe a buscar novamente a hegemonia nacional. Confira a entrevista.

Planeta Cesta: Depois de seis rodadas no Novo Basquete Brasil, como você está vendo o campeonato? Já que até agora tudo tem sido tão novo para você.
Kammerichs: Estou contente porque aos poucos eu vou conhecendo a liga e também porque até agora nós só perdemos uma partida. Eu vou seguir trabalhando, dando o melhor para a equipe e estou muito feliz pelo jeito que as coisas vêm acontecendo até agora.
Planeta Cesta: O fato de o Gonzalo Garcia ser o seu treinador é uma vantagem nessa adaptação?
Kammerichs: É algo que vem me ajudando, já que trabalhamos juntos no último Pré-Olímpico das Américas e porque falamos o mesmo idioma. Nós compartilhamos um pouco os conceitos e as ideias de jogo e isso tem sido um fator muito importante na minha adaptação à equipe.
Planeta Cesta: Há muita diferença tática e técnica entre os campeonatos brasileiro e argentino ou o modo de jogar é igual?
Kammerichs: Não, não existe muita diferença, mas o que eu vi de diferente foi o ritmo de jogo. Na Argentina se joga com um pouco mais de controle de bola, valorizando a posse, e aqui no Brasil o jogo é muito mais dinâmico, tem muitos contra-ataques. Aqui o jogo não para, é ida e volta direto.
Planeta Cesta: Recentemente o Guilherme Teichmann foi diagnosticado com câncer nos testículos e teve que se afastar da equipe. Como o elenco rubro-negro recebeu essa notícia?
Kammerichs: Não foi nada agradável para todos receber essa notícia.  É uma lástima, mas agora só nos resta torcer e ajudá-lo nessa recuperação. Todos nós esperamos que tudo termine muito bem.
Planeta Cesta: Agora sem o Leandrinho, o Flamengo continua forte para brigar por tudo como vinha sendo pensado?
Kammerichs: É uma perda para o time porque ele é um grande jogador, mas nós sabíamos que isso uma hora iria acontecer e a diretoria estava ciente que a sua vinda era temporária. Sem o Leandrinho os planos continuam os mesmos, não vamos alterar em nada, pois temos um bom elenco e temos condições reais de brigar pelo NBB e pela Liga Sul-Americana.
Ao bater um papo com um medalhista olímpico, falar sobre seleção fica praticamente impossível, e apesar de faltar um certo tempo para o início dos Jogos de Londres, foi inevitável perguntar sobre a Espanha, que vem em uma crescente, ameaçando a “geração dourada” e sobre a expectativa para os jogos.
Planeta Cesta: Como vocês, argentinos, estão vendo o crescimento da Espanha na modalidade? Dá para dizer que ela veio para “substituir” essa geração argentina?
Kammerichs: Em uma Olimpíada ou qualquer outra grande competição, os Estados Unidos vão ser sempre os favoritos e agora com a Espanha não vai ser diferente. Eles têm excelentes jogadores , mas temos que ficar de olho também em outras equipes que vão vir forte, como a Lituânia e o próprio Brasil. Hoje em dia não há muita diferença entre as seleções de ponta. A princípio partem como os favoritos os Estados Unidos e a Espanha, mas existe um bom pelotão de equipes que podem se  tornar favoritas ao longo da competição.
Planeta Cesta: E a expectativa para os jogos, como está? Dá para beliscar novamente uma medalha?
Kammerichs: Nós temos uma grande equipe e temos condições de novamente brigar pelo pódio. Eu estou muito otimista para essas Olimpíadas e material humano para conseguir buscar mais uma medalha nós temos. Acredito que será uma grande campanha, assim eu espero.

É isso ai pessoal, esse foi Federico Kammerichs, jogador da seleção argentina e do Flamengo. Aguardem, em breve mais entrevistas vão rolar por aqui.

2 comentários:

História - Castelo Branco disse...

Esse cara é absolutamente diferenciado no basquete nacional. Todos os jogos que eu vi dele (tanto na TV como no ginásio)me causaram uma ótima impressão

Felipe Piazentin disse...

Ele é sensacional como jogador, como pessoa.
Dentro de quadra ele é muito inteligente, conhece os atalhos das quatro linhas, por isso sempre pontua bem e está em vantagem na hora de disputar rebotes.

O cara é muito bom! A melhor contratação do NBB4 até agora!